Oposição na OAB diz que Santa Cruz usa cargo com fins político-partidários

Santa Cruz se encontrou com Paes . Ele foi criticado por cúpula da OAB


Integrantes da cúpula do Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) publicaram nesta 4ª feira (26.mai.2021) uma nota afirmando que Felipe Santa Cruz, presidente da entidade, está usando seu cargo com fins político-partidários. Leia a íntegra.

O texto é assinado pelo movimento “OAB em defesa da advocacia”, lançado em abril deste ano e capitaneado por Luiz Viana Queiroz, vice-presidente do Conselho Federal da Ordem. Ele deve ser candidato à presidência nas eleições que ocorrem em janeiro de 2022.

No site do grupo, não há a identificação de integrantes. Conforme apurou o Poder360, no entanto, participam do movimento Ary Raghiant Neto, secretário-adjunto da entidade, e José Araújo Noronha, tesoureiro.

Também fazem parte os presidentes das seccionais da OAB na Bahia, Fabrício Castro; no Rio Grande do Sul, Ricardo Breier; no Mato Grosso do Sul, Mansour Elias Karmouche; em Rondônia, Elton Assis; e os ex-presidentes da OAB Nacional Reginaldo Castro, Ophir Cavalcante e Roberto Busato.

“Santa Cruz continua usando sua condição de presidente da OAB para participar de atos políticos-partidários para incensar sua candidatura ao governo do Rio de Janeiro, contrariando os princípios básicos da entidade de se manter distante de disputas partidárias”, diz a nota.

O grupo faz referência a um evento realizado nesta 4ª. Nele, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, assinou sua ficha de filiação ao PSD. Santa Cruz estava ao lado do político.

“Vocês ainda têm dúvida de que ele é candidato [a governador do RJ]?”, disse Paes a jornalistas, apontando para Santa Cruz. “Por mim, ele renunciava agora [à presidência da OAB] e começava a campanha”, prosseguiu o prefeito.

Para o movimento da OAB, o evento mostra que Santa Cruz tem objetivos políticos. “Não se pode, jamais, envolver a entidade em jogos partidários e menos ainda permitir que ela possa ser utilizada para fins eleitorais próprios.É legítimo que cada um de nós tenha sua opção partidária ou manifeste-a publicamente, e nas eleições, mas sem usar uma entidade para manifestar sua preferência ou usá-la como plataforma eleitoral”, afirma o grupo.

GOVERNO DO RIO

Santa Cruz disse ao Poder360 que só decidirá se entra ou não em um partido político em 2022. Ele também não confirmou se disputará o governo do Rio de Janeiro, tal como sugerido por Paes.

“Não irei me filiar a partido algum até sair da Ordem. Essa é uma avaliação que me cabe ao final do mandato. Uma avaliação que passa pelo drama que vive minha terra. Dediquei minha vida aos temas da advocacia, da cidadania e jamais criminalizarei a política”, afirmou.